terça-feira, 4 de maio de 2010

A importância da amizade


No conturbado mundo de hoje a ausência da amizade é uma das causas de inúmeros males.
    Desde a mais remota Antigüidade o homem se interrogou e filosofou sobre este aspecto da interação humana. Os pensadores gregos deixaram páginas imortais, analisando o que significa ser amigo. Podemos dizer, numa linguagem aristotélica, que a amizade é uma certa comunidade ou participação solidária de várias pessoas em atitudes, valores ou bens determinados. É uma disposição ativa que empenha a pessoa. Leva à empatia.
    O valor da amizade foi revelado pela Escritura Sagrada: "
O amigo fiel não tem preço".
    A função psicossocial da amizade é, assim, de rara repercussão. Ela é fator de progresso, pois o amigo digno deste nome aperfeiçoa e educa pela palavra e pelo exemplo; de segurança, uma vez que o bom e leal amigo é remédio para todas as angústias; de energia, dado que a amizade é força espiritual; de equilíbrio, porquanto desenvolve a sociabilidade e obsta o egoísmo. Entretanto, há condições para que floresça a amizade. Pode-se dizer que são seus ingredientes: a sinceridade, a confiança, a disponibilidade, a tolerância, a compreensão e a fidelidade. Saint-Exupéry afirmou: "
És eternamente responsável por aquilo que cativas". Esta responsabilidade inclui as seis disposições interiores citadas.
    Na plenitude dos tempos Cristo apresentou-se como legítimo amigo. Ele declarou: "
Já não vos chamo servos, mas amigos" e acrescentou: "Ninguém dá maior prova de amor do que aquele que entrega a vida pelos amigos". Rodeou-se de pessoas, às quais ficaram repletas dos eflúvios de sua bondade. Ele tinha muito a oferecer e felizes os que O conheceram, como Lázaro, Marta, Maria, seus amigos de Betânia; os doze apóstolos; Nicodemos; Zaqueu; Dimas, o bom ladrão; e tantos outros.
    É preciso levar a amizade a sério. Baltazar Gracian asseverou: "
Saber conservar os amigos é mais difícil que saber fazê-los". O Livro do Eclesiástico assegura que "O amigo fiel é medicina da vida e da imortalidade". De Cícero este célebre dito: "As verdadeiras amizades são eternas". Ele colocou esta questão: "Poderá haver alguma coisa mais sublime do que teres alguém com quem possas falar de coisas como se falasses contigo mesmo?" Contudo, é mister refletir no que disse Santo Agostinho: "A suspeita é o veneno da amizade". Bem pensou, porque a amizade finda onde a desconfiança começa. P. Syro proclamou que "a amizade é sempre útil".Cumpre, porém, se ater a esta verídica reflexão de Augusto Comte: "Só os bons sentimentos podem unir, o interesse jamais firmou amizades". Tudo isto merece ser pensado e repensado. E que "
a amizade é o vinho da vida", no belo conceito de Young. É essencial, todavia, ponderar sobre a receita de Emerson: "A única maneira de ter amigos é ser amigo" e meditar sobre o ensinamento bíblico: "Quem teme a Deus terá bons amigos, porque estes serão semelhantes a ele".
    Quando, de novo, a autêntica amizade reinar nesta terra, não haverá tanta animosidade, insegurança e traição.

Fonte: Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho

Um comentário:

Suellen disse...

lindo texto sobre a importância da amizade!
"És eternamente responsável por aquilo que cativas".(essa frase é muito importante pra quem tem amigos e pra quem esta procurando amigos...